Como Participar do programa?

PSQ / COMO PARTICIPAR DO PROGRAMA?

Para facilitar o entendimento de alguns termos técnicos contidos nesta página, descrevemos a seguir:

 

TERMINOLOGIAS UTILIZADAS:

 

Família de produtos: Agrupamento de produtos que são objeto de avaliação da conformidade.

Contrato de Certificação: Documento firmado entre Empresa Fabricante e OCP, no qual a empresa fabricante aceita e submete-se a avaliação da conformidade no âmbito do SBAC.

Procedimento Operacional Padrão (POP): Documento definido e estabelecido pelo OCP, que descreve os requisitos: de desempenho do produto, do sistema de gestão da qualidade, e os métodos de ensaios.

Qualificação de Produtos: Atendimento às exigências e requisitos da norma técnica – ABNT NBR 10.821.

Programa Setorial de Qualidade (PSQ): Programa do Governo Federal, de caráter nacional, que visa à melhoria da qualidade dos produtos da construção civil e o combate à não conformidade técnica.

Conformidade: Atendimento aos requisitos da norma técnica.

ABNT NBR 10.821:2017: Norma técnica que estabelece os requisitos de desempenho das esquadrias.

Pórtico de Ensaio: Estrutura para realização dos testes nos produtos.

Produto-alvo: Produto objeto de avaliação da conformidade no PSQ.

Entidade de Gestão Técnica: Entidade de terceira parte, escolhida pelo Gerente do PSQ, responsável pela avaliação da conformidade dos produtos-alvo e pelas informações apresentadas nos Relatórios Setoriais do PSQ.

Contrato de Qualificação: Documento firmado entre Empresa Fabricante, Gerência do PSQ e Entidade de Gestão Técnica, no qual a empresa fabricante adere ao Programa Setorial de Qualidade.

Família de produtos: Agrupamento de produtos que são objeto de avaliação da conformidade.

Contrato: Documento firmado entre Empresa Fabricante e OCP, no qual a empresa fabricante aceita e submete-se a avaliação da conformidade no âmbito do SBAC.

Procedimento Operacional Padrão (POP): Documento definido e estabelecido pelo OCP, que descreve os requisitos: de desempenho do produto, do sistema de gestão da qualidade, e os métodos de ensaios.

 

ETAPAS PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS

 

Modelo de Certificação com Avaliação do Sistema da Qualidade e Ensaios de Tipo no Produto (Modelo 5)

 

Este modelo inclui ensaios de tipo e avaliação do sistema de gestão da qualidade da fábrica. São realizadas auditorias periódicas no sistema de gestão da qualidade, inspeções periódicas na produção ou ensaios periódicos em amostras do produto coletadas no comércio ou na produção, para avaliar a conformidade. Normalmente empregado para produtos com repetitividade na produção

 

 

 

1. Solicitar Certificação de Produto para OCP:

A empresa que deseja certificar seus produtos deve entrar em contato com IBELQ (OCP), acessando o site (www.ibelq.org.br), clicar em PROCEDIMENTOS / PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO / RQ, baixar o formulário RQ 038. Após preencher com as informações solicitadas, deve enviá-lo ao IBELQ para iniciar o processo.

 

O IBELQ encaminhará proposta comercial / contrato que deve ser assinado entre o IBELQ e o fabricante, após enviará senha de acesso para o fabricante baixar o documento POP 001 e conhecer o processo.

 

2. Auditoria Inicial:

O escopo da auditoria é baseado nos requisitos do POP aplicável ao produto, requer:

a)  Avaliar o sistema de gestão da qualidade do fabricante. Essa avaliação é baseada nos requisitos da ABNT NBR ISO 9001:2015 (ver Tabela 1);

 

b)  Coletar e lacrar as amostras para os ensaios de tipo do produto a ser certificado, conforme os requisitos do POP.

 

3. Ensaios Laboratoriais

A empresa deve encaminhar os produtos coletados, para o laboratório de ensaio designado pelo IBELQ (OCP) para realização dos testes de avaliação de desempenho do produto.

O Laboratório acreditado (INMETRO) executará os ensaios de avaliação da conformidade, conforme a ABNT NBR 10821-2:2017.

 

4. Avaliação do projeto do produto a certificar

Um Auditor Especialista é designado para ser o responsável pela avaliação técnica do produto. Este Especialista conduz a avaliação construtiva, solicita e supervisiona a condução de ensaios em laboratórios, avalia os registros de ensaio, prepara os relatórios de avaliação e ensaios e os procedimentos de acompanhamento e submete todos os resultados a uma aprovação internamente no OCP.

 

5. Revisão Interna e Decisão da Certificação

Uma vez concluído todos os requisitos para a certificação do produto, o IBELQ (OCP) apresenta os resultados a Comissão Interna de Certificação, sendo verificadas as características técnicas e sistemáticas do processo.

 

No caso da aprovação pela Comissão Interna de Certificação, o IBELQ (OCP) comunica ao Solicitante o Número do Certificado, emite e envia o Certificado ao Solicitante.

 

 

6. Validação da Decisão da Certificação

Todos os processos de certificação de produtos aprovados pela Comissão Interna de Certificação, mesmo já tendo sido emitidos os certificados de conformidade, são apresentados à Comitê Técnico de Imparcialidade para a validação do processo de certificação, quando requerido pelo regulamento técnico do Inmetro.

 

7. Manutenção da Certificação

Após a emissão do Certificado, será estabelecido um programa de auditoria na fábrica. Através de visitas, o IBELQ (OCP) verificará periodicamente e fará avaliações no Sistema de Gestão da Qualidade (ver Tabela 1). Esta avaliação periódica é considerada parte deste Programa de Manutenção da Certificação e a frequência desta avaliação é definida no POP do Produto para verificar se o produto continua a atender tais requisitos.

 

ETAPAS PARA QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS

 

1) Conhecer o funcionamento do Processo de Qualificação de Produtos, bem como as obrigações das empresas participantes do Programa Setorial da Qualidade de Esquadrias de Aço.

Como: Requisitar ou obter informações durante as visitas de acompanhamento do Programa de Qualificação de Produtos – ABRAESP, realizadas pelo Engenheiro Responsável.

 

 

2) Conhecer os requisitos e exigências da norma técnica ABNT NBR 10.821:2017 – Esquadrias para edificações, aplicados para avaliar o desempenho dos produtos da empresa.

Como: Requisitar ou obter informações durante as visitas de acompanhamento do Programa de Qualificação de Produtos – ABRAESP, realizadas pelo Engenheiro Responsável.

 

3) Construir pórtico/câmara de ensaio (Portas / Janelas) e acessórios, para execução de pré-testes na empresa, visando conhecer o desempenho dos seus produtos.

Como: Requisitando a visita técnica do Engenheiro Responsavel da ABRAESP para orientações.

 

4) Realizar os pré-testes nos produtos-alvo (Porta de giro, Janelas de correr e Janelas maxim-ar) para conhecer seu desempenho quanto às exigências e requisitos da norma técnica ABNT NBR 10.821:2017 – Esquadrias para edificações.

Como: Executando os ensaios de operações de manuseio (funcionamento e medição dos esforços deformação), os ensaios de segurança a manutenção nas operações de manuseio (verificação de esforços extremos de uso), os ensaios de estanqueidade ao ar/água, e os ensaios de cargas uniformemente distribuídas/rajadas de ventos.

 

5) Fazer os ajustes necessários nos produtos-alvo (Porta de giro, Janelas de correr e Janelas maxim-ar) ensaiados nos pré-testes, para atender as exigências e requisitos da norma técnica ABNT NBR 10.821:2017 – Esquadrias para edificações.

Como: Utilizando-se das observações feitas nos pré-testes para promover a melhoria do produto-alvo (Porta de giro, Janelas de correr e Janelas maxim-ar), visando o atendimento aos ensaios descritos acima. Em caso de dúvidas, é possível a solicitação de esclarecimentos ao Engenheiro Responsável da ABRAESP.

Recomendamos que a empresa, após ajustar e alterar o produto-alvo (Porta de giro, Janelas de correr e Janelas maxim-ar), realize novamente os pré-testes para garantir que o mesmo esteja atendendo as exigências e requisitos dos ensaios.

 

6) Definir a estrutura (perfis, matéria-prima, insumos e acessórios) dos produtos ensaiados e aprovados nos pré-testes. Em seguida, preparar a documentação técnica do produto, que envolve os seguintes itens:

   a) Ficha técnica do produto: Deve conter toda a descrição de matéria-prima, dimensões de perfis, acessórios e insumos utilizados na fabricação do produto. A ficha técnica serve de base para que a Área de Custos da empresa monte o Preço de Vendas do produto.

   b) Desenhos de perfis e montagem do produto: Deve conter as informações sobre os perfis, os conjuntos e o produto. Estas informações são utilizadas durante o processo de fabricação do produto e garantem a repetitividade do projeto de produto.

   c) Memorial descritivo do produto: Deve conter informações técnicas do produto, como: sistema de pintura e tratamento de superfície, desempenho quanto aos requisitos e exigências da norma ABNT NBR 10.821:2017 – Esquadrias para edificações.

   d) Manual de instalação e manutenção do produto: Deve conter informações sobre o produto para: Armazenamento, Preparação dos vãos, Método de instalação (Grapa ou Parafuso/Bucha), Colocação dos vidros, Pintura de Acabamento, Limpeza, Manutenção e Conservação do produto.

Como: Requisitar ou obter informações durante as visitas de acompanhamento do Programa de Qualificação de Produtos – ABRAESP, realizadas pelo Engenheiro Responsável.

 

7) Iniciar a fabricação do lote mínimo (10 peças) para coleta de amostras. Este lote deve estar à disposição da Entidade de Gestão Técnica, que fará a avaliação do desempenho do produto e uma Auditoria das condições de fabricação da empresa.

Como: Através da documentação técnica elaborada e aprovada pela área de projetos da empresa. Utilizar as visitas de acompanhamento do Programa de Qualificação de Produtos – ABRAESP, realizadas pelo Engenheiro Responsável, para esclarecimento de dúvidas e para solicitar sugestões.

 

8) Receber a auditoria de verificação das condições de fabricação e coleta de amostras para os ensaios de avaliação da conformidade dos seus produtos. Após a auditoria de verificação e coleta de amostras, a empresa fabricante deve encaminhar os produtos coletados para o laboratório de ensaio designado pela Entidade de Gestão Técnica, para realização dos testes de avaliação de desempenho do produto.

Recomendações: A empresa fabricante deverá, ao enviar os produtos para o laboratório, tomar as medidas de precauções durante o transporte, entrega e armazenagem das amostras.

 

9) Assinar o Contrato de Qualificação de produtos do Programa Setorial da Qualidade de Esquadrias de Aço. Este contrato define, documenta e estabelece as obrigações e penalidades para:

   a) Empresa fabricante que aderiu ao programa e pretende fabricar seus produtos em conformidade com as exigências e requisitos estabelecidos;

   b) ABRAESP (Gerente do Programa Setorial de Qualidade); e

   c) Entidade de Gestão Técnica (Empresa de Terceira parte, que fará a avaliação de conformidade dos produtos).

Como: Solicitar à ABRAESP o modelo do contrato, preencher conforme as instruções, encaminhar novamente à ABRAESP e aguardar o agendamento para coleta de amostras e auditoria das condições de fabricação. Utilizar as visitas de acompanhamento do Programa de Qualificação de Produtos – ABRAESP, realizadas pelo Engenheiro Responsavel, para esclarecimento de dúvidas e para solicitar sugestões.

Recomendações: A empresa fabricante deve assinar o contrato, após executar todos os passos descritos até aqui, em especial aqueles relacionados à avaliação da conformidade (aprovar nos ensaios) dos produtos-alvo (Porta de giro, Janelas de correr e Janelas maxim-ar).

 

10) Verificar com a Entidade de Gestão Técnica, o agendamento junto ao laboratório, de data para a realização dos ensaios de avaliação da conformidade.

Recomendações: Uma vez realizado o agendamento, a empresa deverá providenciar a instalação do produto no pórtico/câmara do laboratório, ou seja, orientamos para que a empresa fabricante instale seus produtos sempre tomando as devidas precauções. Caso a empresa não possua equipe disponível de instalação, deverá pelo menos acompanhar essa atividade.

 

11) Acompanhar, na data agendada, a realização dos ensaios de avaliação no laboratório. Durante a execução do ensaio, o laboratório verificará o funcionamento do produto e o atendimento aos requisitos da norma técnica ABNT NBR 10.821:2011, por parte da empresa fabricante.

Recomendações: A empresa fabricante deve acompanhar os ensaios e verificar se a esquadria (Porta de giro, Janelas de correr e Janelas maxim-ar) está bem fechada e travada. Problemas no produto observados durante os ensaios, e oriundos dessas aberturas e fechamentos, deverão ser comunicados ao laboratório, para correção imediata. Desta forma, garante-se que não haverá problema no ensaio em decorrência de falha do fechamento e travamento do produto.

 

12) Uma vez que o produto é aprovado nos ensaios de avaliação da conformidade:

   a) O Laboratório de Ensaios emitirá o Relatório de ensaio de cada amostra do produto, comprovando o atendimento aos requisitos e exigências da norma técnica;

   b)  A Entidade de Gestão Técnica, ao receber os Relatórios de Ensaios das amostras dos produtos avaliados, deve analisar e emitir o Certificado de Qualificação de cada tipologia de produto; e

   c) A ABRAESP e a Entidade Gestão Técnica incluirão a empresa e o produto qualificado na Relação de Empresas Qualificadas que consta no Relatório Setorial do PSQ de Esquadrias de Aço, disponível no site do PBQP-H.

 

13) Após sua qualificação, a empresa fabricante deve:

   a) Manter a fabricação dos produtos qualificados através de sua documentação técnica e das condições de fabricação avaliadas pela Entidade de Gestão Técnica;

   b) Promover a comercialização destes produtos junto ao mercado consumidor;

   c) Informar trimestralmente o volume de comercialização desses produtos à ABRAESP que, através desses dados, irá gerar o Relatório Setorial e Indicador de Conformidade do Programa Setorial da Qualidade de Esquadrias de Aço; e

   d) Evitar a fabricação e comercialização de produtos não conformes em suas unidades fabris.

 

design e desenvolvimento Diginova - Sites e Sistemas | Hospedado por iSimples